quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

As Intermitências

«No dia seguinte ninguém morreu.»
Assim começa este romance de José Saramago. Colocada a hipótese, o autor desenvolve-a em todas as suas consequências, e o leitor é conduzido com mão de mestre numa ampla divagação sobre a vida, a morte, o amor, e o sentido, ou a falta dele, da nossa existência. (Sinopse Fnac)

Sem comentários:

Publicar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.